Publicidade

Sermão: Mulheres vocês são minhas testemunhas. (Isaías 43:10)

Sermão: Mulheres vocês são minhas testemunhas. (Isaías 43:10)

Testemunhar sempre foi uma palavra associada à mensagem cristã. Nos lembramos do
palavras de João Batista: que veio para dar testemunho daquele que o seguiria. 

Após as experiências de ressurreição, os discípulos foram testemunhas dos eventos que tiveram
visto. Ao longo da história, as testemunhas têm sido uma parte importante da história cristã.
Como pessoas que se chamam de cristãos, precisamos passar algum tempo pensando sobre o
significado dessa palavra para nossas vidas hoje. Em particular, como mulheres membros da igreja, é
importante para nós considerarmos as implicações dessa palavra, pois é a primeira das quatro
marcos que são nomeados em nosso propósito.

1. A Mulher Samaritana (João 4: 1-42)

Uma das mulheres que destacamos no texto bíblico. Ela veio ao poço ao meio-dia para evitar as outras mulheres. Pela maneira como eles se calaram quando ela se aproximou que eles estavam falando sobre sua vida. Era mais fácil suportar o calor escaldante do sol do meio-dia do que ouvir os sussurros
e ver os olhos desviados.
Um dia, ela ficou surpresa ao ver um homem sentado ali e teve uma surpresa ainda maior
quando ele falou com ela e pediu água. Ele era obviamente um judeu. Ele nunca deveria ter
falado com ela em público. Ela era uma samaritana e uma mulher.
A conversa que se seguiu foi animada; um bom debate. Raramente esta mulher teve tal
uma conversa com qualquer pessoa e tê-la com alguém que ela reconheceu como um rabino,
foi uma experiência estimulante.
Ele aceitou os desafios que ela ofereceu e enfrentou-os com seus próprios desafios. A
a conversa começou com trocas sobre o tema da água. O homem falou de “viver
água ”e nunca mais sentirá sede. O assunto então se tornou menos confortável para ela. O
estranho disse a ela que sabia tudo sobre seu estilo de vida e seus maridos. Mesmo sabendo de tudo
sobre ela, ela não sentiu nenhum julgamento em suas maneiras. Sentindo que ele era um profeta, ela mudou o assunto.

Eles falaram sobre o lugar correto para adorar, esta montanha ou aquela montanha. 

Eles falaram de Deus e da natureza de Deus. 

Eles falaram de Deus como um espírito e disse que a adoração deve ser feita em espírito e em verdade.

Do que você tem falado? De Cristo? Da Palavra?

Para ser como mulheres transformadoras você precisa falar De Deus

 Quando ela afirmou que sabia o Messias estava vindo, foi um choque quando ele respondeu declarando-se ser o prometido.

Ela percebeu a verdade da afirmação e deixou seu pote de água e correu para a aldeia para contar
os outros o que ela havia aprendido. Não foi fácil falar com os anciãos da aldeia que julgaram
ela e as mulheres que a rejeitaram. No entanto, ela se sentiu compelida a fazer exatamente isso. A mensagem ela não iria manter.

Contar também não foi o fim de tudo. Sua vida certamente havia mudado, e ela estava agora
uma mulher diferente. Não sabemos o que ela fez, mas deve ter continuado a crescer e
aprender e compartilhar sua história.

Como a mulher samaritana, precisamos nos esforçar para entender nosso chamado e então correr para
outros para compartilhar as Boas Novas com eles. 

2. Mulheres que transparecem Cristo

Nós nos juntamos para testemunhar como comunidade à presença de Deus conosco no mundo. Nós nos reunimos em fé para adorar.

Se formos como uma janela, transparente  outros verão o Cristo em nós e nós veremos o Cristo neles.

Se quisermos ser uma janela para que outros vejam Cristo, precisamos seja claro sobre o que entendemos de fé, Deus e Jesus. 

Também precisamos ser uma janela com vidros transparentes. Falando sobre nossa fé interior, nossas lutas para entender, nossa incerteza e nossa crença na constância de Deus é um convite para que outros encontrem um vislumbre de Deus em nós.

Uma janela suja ou embaçada não dá uma imagem nítida. A janela de nossas vidas deve
mostrar a presença de Deus em nossas vidas e a luz de Deus deve ser capaz de brilhar. Egoísmo,
amargura, raiva, inveja e muitos outros tipos de pensamentos negativos obscurecem nossa visão e
portanto, a visão de outros.
As janelas podem estar quebradas ou rachadas. Isso também distorce a visão. Precisamos buscar a cura
e integridade em nossas próprias vidas e assim ajudar outros a encontrar a paz que somente Cristo pode
trazer.

Muitas de mulheres nas igrejas têm vitrais. Elas são lindas mas a menos que sejam iluminadas elas revelam pouco ao mundo que passa. Assim é com o janelas de nossas vidas. Eles devem ser preenchidos com a luz do amor para que os outros vejam e então eles podem se juntar a nós e seguir o caminho que Cristo mostrou ao mundo.

3. Mulheres aprovadas para obra


Faça o seu melhor para se apresentar a Deus como alguém aprovado por ele, um obreiro que não tem necessidade envergonhar-se, explicando bem a palavra da verdade. (2 Timóteo 2:15)

Como mulheres, mães, tias, avós e professoras, temos uma grande responsabilidade de
nossas crianças e jovens. É nossa tarefa e privilégio ensinar nossa fé à próxima geração
história e encorajá-los a fazer o caminho da verdade de Deus, o seu modo de vida.
Mas podemos ensinar o que não sabemos? Se quisermos ensinar as grandes verdades da fé, nós
devemos conhecê-los nós mesmos. Isso significa conhecer a Bíblia, seus grandes temas de amor,
perdão, compaixão e esperança. Significa saber algo da história de nosso
Fé cristã e nossa própria denominação. Também significa compartilhar essa história com outras pessoas.
As mulheres da igreja sempre foram alguns dos membros mais bem informados do
igreja, e é uma tradição que honramos e continuaremos. O estudo tem sido uma parte importante
do nosso propósito. O estudo da Bíblia, o estudo missionário e a tarefa de ser informado sobre a sociedade são importantes, porque nossas orações e ações resultam de nossa preocupação e nosso entendimento das questões.
 Atuando no culto das mulheres, irmãs ou senhoras.

4. Hulda, a Profeta (uma recontagem da história baseada em 2 Reis 22: 12–20)


Esta história se passa após o retorno dos judeus do cativeiro na Babilônia. Eles eram
reconstruindo sua comunidade: casas, lojas, as muralhas da cidade e, o mais importante, o
têmpora. Enquanto removiam alguns escombros, os trabalhadores encontraram um pergaminho. O rei acreditou ajudaria a levar o povo a uma renovação da fé em Deus. 

Os sacerdotes e os homens os acompanhantes levaram o pergaminho a uma mulher para que fosse lido e explicado.
Essa mulher era Hulda. Mas ela era muito mais que costureira ou lavadeira. A Bíblia também a chama de profeta e quando ela fala com o rei, ela usa as quatro palavras que são o sinal de um profeta: “Assim diz o Senhor.” Como outras mulheres da Bíblia temos muito a aprender com ela.


Quem era esta mulher sábia e temente a Deus? 

Ela morava no segundo trimestre de Jerusalém, a seção em frente ao templo. A tradição judaica ensina que ela ensinou publicamente na escola do templo. Ela era conhecida em todo o reino, e não houve hesitação em recorrer a ela quando alguém era necessário para ler o pergaminho. O rei e seus assessores tinham fé nessa mulher.

Ela profetizou que o Senhor traria o mal sobre a terra porque o povo
abandonou a Deus e estava adorando imagens e ídolos. O rei respeitou sua sabedoria, e
reformas foram iniciadas. A sabedoria e a fé dessa mulher foram benéficas para todos; seu
conhecimento e a fé tocaram a todos no reino. Ela poderia responder quando chamada
para ensinar porque ela havia estudado a lei e ela confiou em Deus. O exemplo dela é um sinal
que Deus pode usar qualquer pessoa para fazer o trabalho da comunidade de fiéis.

Declaramos a você o que vimos e ouvimos para que você também possa ter comunhão; e verdadeiramente nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo. (1 João 1: 3)
A palavra grega usada no Novo Testamento para comunhão pode ser traduzida como bondade.
É a palavra que também pode significar comunhão. Comunhão, em geral não litúrgica
sentido, é a partilha de vida ou interesses comuns. Não é isso que fazemos como cristãos quando
nós juntamos? Compartilhamos nosso interesse comum e compreensão de nosso mundo e compartilhamos nossa fé um com o outro. O desejo de ser seguidores de Cristo nos chama para a comunidade, para comunhão com outros.


5. O Lar de Maria (baseado em Atos 12: 11-17)

Maria, a mãe de João Marcos, era uma cristã que abriu sua casa aos discípulos.
Alguns estudiosos da Bíblia acreditam que foi em sua casa que aconteceu a Última Ceia. Sua
casa também pode ter sido o lugar onde Jesus se encontrou com os discípulos após o
ressurreição. Na noite em que Pedro foi libertado da prisão, ele foi direto para a casa dela para
compartilhe sua história, sabendo que ele encontraria crentes lá.
Sem dúvida, João Marcos cresceu em um lar onde a cada dia ele via o amor cristão e a fé em
trabalhos. Maria fez de sua casa um centro da nova fé em Jerusalém. John Mark teria
aprendeu sobre a fé, não só com sua mãe, mas com as pessoas fiéis que vieram para
sua casa, incluindo Jesus e os discípulos.
Maria deve ter sido uma grande influência para o bem em seu filho. Ela era uma mulher de
fé e coragem, capaz de deixar o filho acompanhar Barnabé nas suas viagens missionárias. Até
embora fossem primos, deve ter sido difícil para ela vê-lo enfrentar uma vida de
perigo e sofrimento.
A comunidade, ou irmandade, que ela nutriu ao abrir sua casa para a nova fé
deu a ela um grupo para apoiá-la e encorajá-la. A comunidade que ela apoiou
agora seria capaz de dar-lhe conforto e força.

Atos 2: 40-42
Em Atos 2:42, Lucas nos diz que esses primeiros cristãos se devotaram à comunhão. Foi um
prioridade e um dos objetivos da reunião. Mas o que é comunhão?
Freqüentemente falamos de comunhão como aquilo que acontece quando nos reunimos para um café após o culto de adoração na manhã de domingo. E esse é um entendimento da palavra. Nós conversamos e compartilhar uns com os outros; nós rimos e nos abraçamos; e fazemos planos para nos encontrarmos durante a semana. Essas atividades cumprem a definição do dicionário de "comunhão", que é companheirismo, companhia, compartilhamento de interesses, atividades, sentimentos ou experiências. Esses são experiências boas, afirmativas e que enriquecem a vida.

Mas o entendimento bíblico de comunhão é mais profundo. A palavra grega é Koinos na raiz
Formato. Tem conotações de compartilhar todas as coisas e manter as coisas em comum. Como nós somos pensando sobre nossas vidas espirituais, isso pode ser entendido como nossos ideais, objetivos, interesses e nossas crenças. 

Conheço suas obras - seu amor, fé, serviço e perseverança paciente. Eu sei que é o seu último
as obras são maiores que as primeiras. (Apocalipse 2:19)
Servindo jantares, fazendo café, decorando salões de igreja, visitando, ouvindo ... a lista de
as maneiras pelas quais os membros oferecem seus serviços aos outros são quase infinitas. Nós temos
levar a sério o mandamento "Faça aos outros o que você gostaria que fizessem a você"
(Mateus 7:12) que Jesus deu a seus seguidores. Seguimos a parte de serviço de nosso Propósito
com devoção.
Exemplos de serviço são oferecidos em muitos lugares nas escrituras. Nós pensamos em Jesus lavando o pés de seus discípulos e sabemos que ele alimentou os famintos e curou os enfermos. No Evangelho de Lucas, Jesus diz que está entre nós como quem serve.

Sermão: Mulheres vocês são minhas testemunhas. (Isaías 43:10)

Conclusão

Essas passagens apresentam duas imagens bastante diferentes. 

Como Mulheres da Igreja devemos crer:
• que, como mulheres cristãs de fé, nutrimos a espiritualidade estendendo a mão
compromisso e devoção a todo o povo de Deus;
• na promoção da verdade, justiça, paz, carinho e partilha com respeito por todos na
comunidade e mundo mais amplo;
• em amar a Deus e aos outros, vivendo generosamente e doando com alegria; e,
• em nos afirmar e fortalecer criativamente no estudo e no testemunho
através da música, risos e solidão.




Confira:
Destaques
Compartilhe nas Redes Sociais!
Compartilhe Compartilhe Compartilhe

Atenção! Se você ainda não se inscreveu cadastra-se aqui para receber informativos com sermões e estudos bíblicos grátis em seu e-mail. Cadastre-se Aqui!


Versões Bíblicas consultadas ou citadas:
Bíblia Livre (BLIVRE), Almeida Revista e Atuzalizada ARA-SBB, Almeida Revista e Corrigida ARC-SBB, tradução livre e outras citadas no texto.

Autor Formado em Teologia pelo Seminário Teológico Boas Novas - FATEP.

Relacionadas
Publicidade
0 comentários:
 

Pesquisar
Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade

Compartilhamos Nossa Missão de Visão missionária de temas da Bíblia Sagrada como cristianismo, teologia e histórias bíblicas e da igreja cristã, Escola Bíblica Dominical, conteúdo para colégio cristão.

1 e 2 Reis 1 e 2 Crônicas 1 e 2 Pedro 1 e 2 Samuel 2 Timóteo Atos Daniel Eclesiastes Efésios Esdras Êxodo Filipenses Gênesis Hebreus Isaías Jeremias Jó João Jonas Josué Lucas Malaquias Mateus Números Provérbios Salmos Sofonias Zacarias

voltar