Publicidade

Resumo do Livro de Isaías

 

Estudo Bíblico sobre Isaías

A Bíblia em miniatura em Isaías

O Homem, o Tempo e o Livro

  • Introdução a toda a profecia (Isaías 1)
  • Primeiras mensagens de Isaías (Isaías 2-5)
  • A Visão do Deus Santo de Isaías (Isaías 6)
  • A verdadeira esperança de Judá: o rei messiânico (Isaías 7-12)
  • Profecias a respeito das nações (Isaías 13-27)
  • A fonte da verdadeira libertação (Isaías 28-35)
  • Interlúdio histórico (Isaías 36-39)
  • O Único Deus Verdadeiro Versus Ídolos (Isaías 40-48)
  • Salvação por meio do servo sofredor (Isaías 49-53)
  • A Glória do Futuro para o Povo de Deus (Isaías 54-66)

2 temas principais:

“Confie no Santo de Israel”
“O Messias que virá e a glória de Sua era”

O livro está dividido em duas partes principais.
O Período Assírio (capítulos 1-39)
O Período Babilônico (capítulos 40-66)

A era do exílio começou oficialmente em (586 aC) quando a Babilônia conquistou os israelitas e destruiu o templo. 

No total, houve três ondas de transporte de israelitas: 

  • a primeira em (605 aC), que incluía o profeta Daniel; 
  • a segundo em (597 AC); 
  • e a última em (586 aC) quando a cidade caiu. 

Neste ponto, “gulat bavel” ou o exílio da Babilônia, começou para aqueles que foram deportados para fora de Judá. Além disso, é útil notar que este ponto marcou o fim do período do primeiro templo e o reinado dos reis em Judá (NIV Study Bible, 2011).

Explicação de Isaías II: Fim do Exílio

Isaías trouxe a mensagem de esperança e dignidade ao povo de Deus, como em sua passagem servo do senhor (Isaías 42: 1). 

Ele deixou claro que primeiro o povo sofreria para ser livre, e a realização da salvação veio em (539 aC) quando a Babilônia caiu nas mãos dos persas. 

O rei Ciro assumiu o poder em (539 aC) e decretou que os israelitas fossem livres e o templo reconstruído. 

Passaram-se 70 anos desde a destruição do templo, e em (516 aC) o exílio terminou oficialmente quando o Templo finalmente se ergueu novamente, marcando o início do período do segundo templo, que duraria centenas de anos.

Profecias messiânicas:

  • Is 7:14 - nascido de uma virgem
  • Is 9: 1 - ministério seria a Galiléia
  • Is 9: 6-7 - um descendente do Rei David
  • Is 11: 2 - é ungido com o Espírito de Deus
  • Is 11:10 - ser procurado pelos gentios

Condição de Judá

  • A condição pecaminosa de Judá (1: 2-15)
  • O Chamado ao Arrependimento (1: 16-20)
  • Anúncio do julgamento vindouro (1: 21-31)

Os capítulos 2-5 contêm mensagens que falam do futuro e do presente de Judá e de Jerusalém.

  • O futuro glorioso de Sião (2: 1-4)
  • Presente Inglório de Sião (2: 5 - 4: 6)
  • Deus e Judá (5: 1-30)

Cultura

“A cultura é um conjunto difuso de suposições e valores básicos, orientações para a vida, crenças, políticas, procedimentos e convenções comportamentais que são compartilhados por um grupo de pessoas e que influenciam (mas não determinam) o comportamento de cada membro e suas interpretações de o 'significado' do comportamento de outras pessoas ”. (Spencer-Oatey)

A cultura pode ser definida como uma maneira pela qual grupos de pessoas determinam o que é e o que não é normal. Ao longo da história, a cultura de diferentes civilizações, bem como de diferentes períodos de tempo, mudou continuamente. É importante entender o que é a cultura da época sempre que ler um livro da Bíblia, pois isso ajuda a entender os significados mais profundos nas histórias contadas ao longo. Nesta seção, a cultura da época será discutida nos termos das orientações de como as pessoas se portavam no dia a dia.

A história de Isaías II (capítulos 40-55) foi escrita durante o exílio na Babilônia, que começou em 586 aC No início de Isaías II no capítulo 40, Isaías estava trazendo consolo às pessoas quando elas estavam para retornar. Ele chegou ao fim quando o Império Persa, liderado por Ciro, assumiu em 539 aC Nessa época, alguns dos judeus começaram a retornar do exílio, embora a maioria estivesse hesitante no início. Por volta de 515 aC, alguns dos judeus que estavam no exílio começaram a reconstruir o Templo em Jerusalém. O retorno, porém, não foi isento de problemas: os repatriados se viram em conflito com aqueles que haviam permanecido no país e agora eram donos da terra. Além disso, houve mais conflitos sobre que tipo de governo. No entanto, muito dessa cultura tinha a ver com esperança. Depois que o exílio foi interrompido,

Para as pessoas durante esse tempo, voltar a Jerusalém poderia ser uma coisa assustadora, já que viveram suas vidas no exílio por muito tempo. “Eles são alienígenas em uma terra cujos habitantes vivem por outros valores e adoram outros deuses. Mas o salmista também sabe que a queda de Jerusalém está agora trinta ou quarenta anos atrás, e muitos dos israelitas correm o risco de esquecer seu verdadeiro lar. Muitos se casaram, ganharam dinheiro e até alcançaram posições de destaque na sociedade babilônica. Eles moram na Babilônia há tanto tempo que está começando a parecer aceitável ”(Kinnamon). Durante esse período, os profetas estavam trabalhando para ajudar os exilados anteriormente a ver a importância de voltar a Jerusalém, embora eles pudessem se sentir confortáveis ​​no exílio. Para fazê-los voltar, os profetas deram esperança a essas pessoas sobre o que o futuro em casa traria. Foi uma mensagem recebida aos poucos. Depois que isso foi retransmitido a eles, a maioria dos judeus negou o exílio em primeiro lugar depois que foi dito a eles. A maioria escolheu ficar no início, mas à medida que a situação em Judá continuava a melhorar, eles acabaram voltando para a terra natal.

Foi nessa época que Isaías contou a história do servo sofredor. Esta história é uma metáfora para o sofrimento maior feito por aqueles que foram exilados. A mensagem do servo sofredor é que todos eles tinham que passar por isso para o bem maior que estava por vir. Foi um dos monólogos mais memoráveis ​​de Isaías, pois ele destacou que os israelitas não estavam sofrendo em vão.

Algumas Passagens

Uma parte importante de Isaías II são as quatro passagens sobre o ambíguo Servo do Senhor. Existem muitas sugestões sobre quem era o servo, como Ciro, Isaías II, a nação de Israel / Judá ou Jesus na teologia cristã que estabeleceu o governo de Deus (Peels, 2012). A primeira passagem do Servo (Is 42: 1-9) tem o Servo chamado para trazer justiça e liberdade a Israel e ao litoral além. Na segunda passagem (Is 49, 1-7), o Servo é chamado por Deus, restaurando Israel e tornando-o “luz para as nações”. A terceira passagem (Is 50: 1-11) faz com que o Servo chame as pessoas ao Senhor apesar da perseguição. Finalmente, a última passagem do Servo (Is 52: 13-15, 53: 1-12) descreve o sofrimento do Servo como redentor. Essas passagens ainda são relevantes e continuam a provocar curiosidade nos estudiosos de hoje.

Adoração de ídolo

A ordem de rejeitar ídolos inúteis para Deus todo-poderoso é uma parte importante da teologia (Peels, 2012). Deus é muito claro que Ele não pode ser igual às obras impotentes dos artistas (Is 40: 18-20). Deus diz aos israelitas que só Ele é Deus e não pode ser comparado aos ídolos cegos, mudos, surdos e indefesos da Babilônia (Is 46: 1-9). 

Restauração

Isaías II tem Jerusalém, ou Sião, restaurada como o objetivo do retorno do exílio (Blenkinsopp, 114-115). Aos israelitas é prometido um retorno a Jerusalém (Is 49: 14-22). Deus promete transformar Sião em uma cidade rica, bela e santa (Is 54: 11-13).

Redenção

Outro tema importante de Isaías II é que Deus redimirá os israelitas em um segundo Êxodo (Blenkinsopp, 110-111). Deus promete ser o redentor de Jacó / Israel (Is 41:14). A destruição da Babilônia é até descrita da mesma forma que a destruição do exército egípcio no Mar Vermelho antes que o Senhor declare que o que Ele está fazendo agora é ainda maior do que antes (Is 44: 14-20). 

Estudo Bíblico sobre Isaías


Referências

Isaiah 40-55 by Joseph Blenkinsopp
Call Number: 220.7 An21 v. 19A
ISBN: 0385497172
Publication Date: 2002-04-16
• Written by a long-time University of Notre Dame professor, this commentary explores the second of three authors of the book of Isaiah. It begins by exploring how Isaiah II fits with the rest of Isaiah, and then explores how it fits into the rest of the biblical canon. Next, it describes the literary structure and elements of the book and how Isaiah II has been interpreted throughout history. Finally, the book ends with a complete commentary of chapters 40-55 along with notes on each section. It can be easily accessed for a thorough reading or to find quick references.
NIV Study Bible. (2011). Book of Isaiah Summary. Retrieved October 30, 2014, from
• This free online source gives the NIV Study Bible’s opening information for the book of Isaiah. It summarizes the book, reflects on the authors of it, and gives its historical background, theological themes, and literary features. At the bottom of the page is a well-organized outline that breaks Isaiah into chunks to easily figure out the context of each passage.
Patterson, C.H. (2014). Summary and Analysis – Isaiah. Retrieved October 30, 2014
Cliffsnotes gives us a similar resource to the NIV Study Bible give us. However, this resource has a much more in-depth summary of the whole book. While still very readable, it gives a more comprehensive (but still short) look into the overall picture of Isaiah, though not necessarily singling out Isaiah II. It ends by succinctly analyzing the content in means of the purpose or implications of Isaiah’s message.
The Lion Has Roared by H G L Peels (Editor); Stephanus Daniel Snyman (Editor)
ISBN: 1610976592
Publication Date: 2012-09-11
• Peels’ book contains essays on all of the prophets of the Old Testament, including one specifically on Isaiah II and III. In 19 pages it covers the historical setting, content, structure and theology. The essay explores 7 different themes ranging from God is Lord, to the Servant of the Lord, to messages of eschatology, along with several others. At the end of the chapter we are given a bibliography of further sources to help acquire resources for academic-level work.
Goldingay, J. (2005). The Message of Isaiah 40-55: A Literary-Theological Commentary. A&C Black.

Written by John Goldingay, the David Allan Hubbard Professor of Old Testament in the School of Theology of Fuller Theological Seminary, the first paragraph on page 253 does a great job of setting the political and social scene brought on in the time period of the end of the exile. The following sections go further into depth what was briefly touched on in the opening paragraph.

Kinnamon, Michael. "Ministry in a time of exile: Isaiah 42:1-9." Lexington Theological Quarterly 35, no. 1 (2000 2000): 15-21. ATLA Religion Database with ATLASerials, EBSCOhost (accessed May 8, 2017).

Written by Michael Kinnamon, a professor at Lexington Theological Seminary, the first half of this reference does a nice job describing the second book of Isaiah, and the significant role of a prophet during this time.

Osiek, C., & Hoppe, L.J. (2013). Anselm Academic study Bible: New American Bible revised edition. Winona, MN: Anselm Academic.

Smith, Gary V. 2011. "Isaiah 40-55: which audience was addressed?." Journal Of The Evangelical Theological Society 54, no. 4: 701-713. ATLA Religion Database with ATLASerials, EBSCOhost (accessed May 10, 2017).

Written by Gary Smith.  This source was very useful because it talks about who the target audience was when Isaiah II was written.  The source talks about the history of Isaiah II, and has a lot of cultural references about the time of Isaiah II. 

Spencer-Oatey, H. Culturally Speaking. Culture, Communication and Politeness Theory. 2nd edition. (London: Continuum, 2008), 3.

Original: artigo em https://library.loras.edu/c.php?g=100542&p=1075798  Is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.


Versões Bíblicas consultadas ou citadas: Almeida Revista e Atuzalizada ARA-SBB, Almeida Revista e Corrigida ARC-SBB, Bíblia Livre (BLIVRE), Tradução livre do Inglês e outras citadas no texto.



👉 Cursos Indicados:




Compartilhe nas Redes Sociais!
CompartilheCompartilhe Compartilhe

Autor
Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Boas Novas - FATEP.


Publicidade
0 comentários:
 

Pesquisar
Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade | Espanhol

Hoje no Brasil há muitas Igrejas Evangélicas como a Igreja Batista, Assembléia de Deus, Presbiteriana, Adventista do Sétimo Dia, Maranata e outras.

1 e 2 Reis 1 e 2 Crônicas 1 e 2 Pedro 1 e 2 Samuel 2 Timóteo Atos Daniel Eclesiastes Efésios Esdras Êxodo Filipenses Gênesis Hebreus Isaías Jeremias Jó João Jonas Josué Lucas Malaquias Mateus Números Provérbios Salmos Sofonias Zacarias

voltar