Publicidade

O que é circuncisão na Bíblia? Conceito, Contexto e Aplicação

O que é circuncisão na Bíblia? Conceito, Contexto e Aplicação

O que é circuncisão?

 A circuncisão na Bíblia é um rito religioso e cultural significativo que envolve a remoção do prepúcio do órgão sexual masculino. Esse ato era uma parte importante da identidade religiosa e nacional do povo hebreu e posteriormente, dos judeus. Vamos analisar o significado e a importância da circuncisão na Bíblia em detalhes:

    • Sinal da aliança: Masculino circuncisão

        ◦ Qualquer israelita que se recusasse ser cortado fisicamente dessa forma seria cortado (separado) de sua pessoas (Gênesis 17:14) por causa de sua desobediência ao mandamento de Deus.

    • As Escrituras referem-se à circuncisão como símbolo de separação, pureza e lealdade à aliança.

        ◦ Deus circuncidaria o coração do seu povo para que se dediquem a Ele (Dt 30:6).

        ◦ A incredulidade é descrita como tendo um coração incircunciso (Jeremias 9:26, Ezequiel 44:7-9).

        ◦ Paulo escreveu que "circuncisão do coração" (isto é, ser interiormente separado "pelo Espírito") evidencia a salvação e a comunhão com Deus (Romanos 2:28-29). É preciso voltar-se com confiança para Deus e Suas promessas, deixando de lado a força natural.

1. A circuncisão masculina é a remoção de parte ou de todo o prepúcio (prepúcio) do pênis. A palavra "circuncisão" vem do latim circum (que significa circuncisão).("ao redor") e cædere (que significa "cortar").

2. A circuncisão era praticada fora de Israel e antes do abraâmico e do mosaico.

3. A circuncisão pode ter sido um lembrete para Abraão e seus descendentes de que o O filho prometido não poderia ter sido concebido de forma natural, mas que Deus tinha que supervisionar a concepção de modo a ressaltar a importância da fé

Publicidade

1. Aliança com Deus: 

A circuncisão foi instituída por Deus como parte de Sua aliança com Abraão, conforme registrado em Gênesis 17:10-14. Deus prometeu a Abraão que ele se tornaria o pai de muitas nações e que sua descendência herdaria a terra de Canaã. Como sinal dessa aliança, Deus ordenou que todos os homens de sua família e futuros descendentes fossem circuncidados no oitavo dia de vida.


2. Sinal da Identidade Israelita: 

A circuncisão tornou-se um marcador distintivo da identidade dos israelitas como o povo escolhido de Deus. Era um sinal visível de pertencer à aliança de Deus com Abraão e, posteriormente, com os descendentes de Israel (os doze filhos de Jacó).


3. Purificação e Santidade:

 A circuncisão também tinha conotações espirituais. Ela simbolizava a purificação e a santidade do coração e da vida, como mencionado em Deuteronômio 10:16 e Deuteronômio 30:6. Deus desejava que Seu povo fosse circuncidado não apenas na carne, mas também no coração, significando a necessidade de uma vida dedicada a Ele e à obediência à Sua vontade.


4. Identificação com Cristo: 

No Novo Testamento, a circuncisão física foi substituída pela circuncisão espiritual. O apóstolo Paulo ensina que, em Cristo, a verdadeira circuncisão é do coração e do Espírito (Romanos 2:29). Ele explica que a circuncisão física não é mais necessária para a identificação com Deus, mas sim a fé em Jesus Cristo. Portanto, a circuncisão espiritual é a marca daqueles que estão em Cristo, independentemente de sua origem étnica ou cultural.


5. Questões Teológicas: 

A circuncisão e a discussão em torno dela desempenharam um papel importante na teologia do Novo Testamento, especialmente nas cartas de Paulo. Ele enfatiza que a fé em Cristo e a graça de Deus são mais importantes do que a observância das leis cerimoniais, incluindo a circuncisão (Gálatas 5:6; Colossenses 2:11-12). A circuncisão física não é mais o critério para a pertença ao povo de Deus; em vez disso, a fé em Cristo é o fator determinante.


Circuncisão História e profecia

Os israelitas aparentemente continuaram fielmente a prática da circuncisão. Mesmo no período sem lei dos juízes, os israelitas distinguiam-se dos demais pelo fato de que foram circuncidados (Juízes 14:3; 15:18; 1 Samuel 14:6; 17:26, 36; 31:4; 2 Samuel 1:20; 1 Crônicas 10:4).

Quando Sansão e Davi chamaram os filisteus de "incircuncisos", não foi uma mera descrição médica – foi um insulto étnico, terroso. 

Os profetas usaram o termo "incircuncisos" como sinônimo de gentios (Isaías 52:1). Quando Ezequiel previu a morte do governante de Tiro e do faraó do Egito, ele disse que morreriam a morte dos incircuncisos e seriam sepultados entre os incircuncisos (Ezequiel 28:10; 31:18). Isso transmitia não apenas uma morte gentia, mas uma morte em oposição a Deus; A conotação era que esses governantes eram ímpios. Isso foi desenvolvendo-se ainda mais no lamento de Ezequiel pelo Faraó em Ezequiel 32. Nos versículos 19-32, Faraó teria seu destino com outros soldados incircuncisos que agora estão enterrados. Por toda parte, a implicação é que todos eles eram inimigos de Deus. Ezequiel criticou aqueles que permitiam a entrada de pessoas incircuncisas no templo (Ezequiel 44:7). Os profetas também elaboraram o espírito da circuncisão. 

Jeremias exortou seu povo, que presumivelmente já estava fisicamente circuncidado, a circuncidar seus corações (Jeremias 4:4). Era uma metáfora para o arrependimento. De fato, Deus disse que castigaria tanto israelitas quanto gentios que são circuncidados na carne apenas e não no coração (Jeremias 9:25-26). A circuncisão física não era suficiente; espiritual circuncisão também foi necessária.

Isaías enfatizou a importância da circuncisão em uma de suas profecias de O glorioso governo de Deus. Ele previu um tempo em que apenas pessoas circuncidadas teriam permissão para entrar na nova cidade de Sião (Isaías 52:1-2). Na cultura e no tempo de Isaías, que significava pessoas que eram fisicamente circuncidadas. Isaías também pode ter se referido àqueles que também foram circuncidados no coração. Isso era parte de sua profecia de redenção (versículo 3) — quando boas novas de salvação são pregadas e Deus governa (versículo 7) quando o Senhor retorna a Sião (versículo 8) e revela a salvação em todo o mundo (versículo 10). 

Ezequiel também profetizou que apenas as pessoas que foram circuncidadas na carne e no coração podia adorar adequadamente (Ezequiel 44:9).

A circuncisão é um tema significativo no livro de Gálatas


A circuncisão é um tema significativo no livro de Gálatas, uma vez que desempenha um papel central na discussão entre Paulo e os "judaisantes" ou "judaizantes" - aqueles que argumentavam que os gentios convertidos ao cristianismo deveriam ser circuncidados e observar a Lei de Moisés para serem verdadeiramente salvos. A exegese e análise da circuncisão em Gálatas podem ser resumidas da seguinte forma:


1. Contexto Histórico e Teológico:


O livro de Gálatas foi escrito por Paulo para igrejas na região da Galácia, onde havia uma controvérsia sobre a circuncisão e a observância da Lei entre os crentes gentios.

Paulo estava defendendo a doutrina da justificação pela fé, ou seja, a ideia de que a fé em Jesus Cristo é suficiente para a salvação, sem a necessidade de observar a Lei de Moisés, incluindo a circuncisão.

2. A Circuncisão na Argumentação de Paulo:


Paulo usa a circuncisão como um exemplo vívido de como a observância da Lei não pode justificar uma pessoa diante de Deus. Ele enfatiza que a circuncisão era um sinal da aliança de Deus com Abraão, que aconteceu muito antes da Lei ter sido dada no Sinai (Gálatas 3:17-18). Portanto, a fé em Cristo, e não a circuncisão, é a base da justificação.

3. Justificação Pela Fé:


Paulo argumenta que a justificação, ou seja, a aceitação e a retidão diante de Deus, vêm pela fé em Jesus Cristo e não pelas obras da Lei (Gálatas 2:16). Ele declara que se a justificação viesse pela Lei, então Cristo teria morrido em vão (Gálatas 2:21).

A circuncisão, como uma obra da Lei, não tem poder para justificar uma pessoa; é a fé em Cristo que torna alguém justo diante de Deus.

4. Libertação da Escravidão da Lei:


Paulo argumenta que aqueles que buscam a circuncisão e a observância da Lei estão voltando à escravidão espiritual, porque a Lei apenas revela o pecado, mas não pode removê-lo (Gálatas 3:10-12).

Ele compara a Lei a um "aio" ou "tutor" que nos conduz a Cristo, enfatizando que, uma vez que a fé veio, não estamos mais sob o aio da Lei (Gálatas 3:23-25).

5. Circuncisão do Coração:


Paulo destaca que a verdadeira circuncisão não é a física, mas a do coração, realizada pelo Espírito Santo (Gálatas 5:6; 6:15). Isso significa que a transformação interior e a fé em Cristo são mais importantes do que observar cerimônias externas.


O que é circuncisão na bíblia? Conceito, Contexto e Aplicação
Veja também
  1. O que Significa Evangelho?  Isaías 61:1
  2. O significado Grego de Eclesia: Igreja ou Reunião? Mateus 18:17
  3. Qual é o Significado de Graça e Paz para o Cristão?  Colossenses 1: 2


Em resumo, a circuncisão na Bíblia foi um rito físico que serviu como sinal de aliança entre Deus e os israelitas, representando a purificação, a santidade e a identidade do povo escolhido. No entanto, com a vinda de Jesus Cristo, a circuncisão física perdeu seu valor como um rito necessário para a pertença ao povo de Deus, sendo substituída pela circuncisão espiritual da fé e da obediência em Cristo.

Fontes

https://www.ibcmob.net/uploads/3/9/7/2/39722128/ibc_mob_lsn12_genesis17_01-18_15_20181211.ppt

https://www.apttoteach.org/Theology/Salvation/pdf/721_Circumcison.pdf




👉 5 Livros sugeridos para leitura. Clique e Adquira!


Compartilhe nas Redes Sociais!
CompartilheCompartilhe Compartilhe


Autor: Ronaldo G. Silva é Bacharel em Teologia e Professor de Homilética sendo Pós-Graduado em Educação pela UFF. Entusiasta do trabalho de evangelização e divulgação da Palavra de Deus.
 

Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade

Um Site para o Líder, Pregador, EBD, Seminário, Estudo Bíblico, Sermão, Palavra Introdutória, Saudação, Mensagem e Assuntos Bíblicos para pregar a Palavra de Deus. Versões utilizadas Almeida: ACF, ARA ou ARC (SBB) e Bíblia Livre (BLIVRE)