16/12/2017

A Revelação de Cristo na Carta aos Hebreus 1:1-2


Na Carta aos Hebreus, considerada pelos estudiosos como de autoria desconhecida e, tendo como destinatários, os Cristãos Judeus encontramos alguns aspectos da Revelação de Deus em Cristo no Antigo e Novo testamentos. Nesta postagem trouxemos parte de um estudo chamado The unfolding of God’s revelation in Hebrews 1:1–2a e publicado em HTS Teologiese Studies / Theological Studies que ressalta a superioridade de Cristo. Vejamos o que diz o Estudo Bíblico.

Carta aos Hebreus
by Pixabay

A Revelação de Cristo na Carta aos Hebreus 1:1-2


Estabelecido a partir de Hebreus 1: 1-2a que o escritor da Carta de Hebreus está convencido desde o início que a revelação divina é progressiva, certas implicações hermenêuticas do desdobramento desta revelação pode ser aplicada aos crentes e estudiosos nos dias de hoje.

Os seguintes sete princípios hermenêuticos emergem da Carta aos Hebreus 1: 1-2a:


Na Carta aos Hebreus a revelação de Deus é progressiva :


Em primeiro lugar, a partir do paralelismo, na carta, entre 1: 1 e 1: 2a, é claro que a Deus se manifesta de forma progressiva. Embora haja continuidade entre o que Deus falou no passado e que ele já falou em Cristo, a revelação suprema progrediu do Antigo Testamento para a aparição de Cristo. A Profecia se cumpre com a revelação que ele agora traz em seu Cristo. No entanto, a Carta aos Hebreus 1: 1-2a não indica a progressão no sentido de menos fiel a mais verdadeira ou de menos digno de mais digno. Isso não poderia ser o caso, porque um só e mesmo Deus é revelada por toda parte. A progressão é, na verdade, uma da promessa de cumprimento.

A Carta aos Hebreus revela a supremacia de Cristo :


Intimamente ligado ao princípio anterior, na Carta de Hebreus 1: 1-2a indica que a revelação em Jesus Cristo é de superioridade. Embora Hebreus afirma que o mesmo Deus continuou a falar, a ênfase em toda é constantemente no fato de que Deus revelou-se, de forma suprema, em Jesus. Isto é evidente a partir dos elementos de contraste no paralelismo entre 1: 1 e 1: 2-A, bem como as várias descrições da supremacia de Cristo inclusive em relação aos anjos (que são inferiores), como por exemplo, Heb 1:4 que diz: tornando-se tão superior aos anjos quanto o nome que herdou é superior ao deles.

Cristo é o Clímax da manifestação de Deus, segundo a Carta aos Hebreus:


Novamente em estreita ligação com os princípios anteriores, o paralelismo em 1: 1 e 1: 2a parece implicar que a auto-revelação do próprio Deus em Jesus é o clímax e cumprimento de todas as anteriores do Velho Testamento ( Cockerill 2012: 86-87). Esta não é diretamente declarada em 1: 1-2a, mas o fato de que ao revelar-se em Cristo demonstra superioridade enquanto ainda em continuidade com sua revelação no Antigo Testamento, parece implicar uma tal desdobramento de clímax. Durante todo o resto do sermão, o escritor na Carta aos Hebreus de fato passa a indicar que Jesus é o cumprimento das revelações no Antigo Testamento (especialmente Heb. 7-10, que é de cerca de sacerdócio, aliança, santuário e sacrifício). Como tal, o Antigo Testamento é, em parte, um prenúncio da revelação culminante em Cristo.

O texto de Hebreus aponta que o Deus revelado em Cristo é final :


Intimamente relacionado com todos os princípios anteriores, a Carta aos Hebreus 1: 1-2a sugere que a revelando-se Deus por Cristo Jesus o faz de forma final e definitiva. O próprio fato de que a revelação do soberano Deus em Cristo ocorreu durante o período de transição da antiga para a nova era, implica que o período referente ao Antigo Testamento é agora considerado concluído e que o aparecimento de Deus em seu Filho é final. 'A história da revelação divina é uma história de progressão até Cristo, mas não há progressão além dele'.

De acordo com Hebreus a revelação de Cristo é pessoal :


O escritor de Hebreus declaração de que Deus se revelou em seu Filho 'para nós' (ἡμῖν) deixa claro que é pessoal. Com 'nós' o escritor não se refere apenas às primeiras testemunhas de Jesus (cf. Heb. 2: 3), mas também aos ouvintes a quem ele escreveu, e, eventualmente, a todos os cristãos em todos os lugares. O cumprimento da profecia com Cristo não é algo vago ou distante ou destinado a 'outros'; não, é pessoal e dirigido a todos que o ouve.

Na Carta aos Hebreus o autor expõe a Urgência de uma reação a Cristo:


Embora não seja explícita na Carta em 1: 1-2a, a natureza pessoal da revelação de Cristo, bem como a supremacia do Filho por quem Deus deu a sua manifestação final, implica que os ouvintes originais e ouvintes de hoje devem diligentemente ouvir o que Deus revelou em Cristo. Ao longo de seu sermão, o escritor adverte explicitamente seus ouvintes que uma atitude descrente, desobedientes ou negligente em relação a supremacia em Jesus pode esperar nada mais do que o julgamento e ira de Deus. Portanto, ele exorta os seus ouvintes a reagirem com reverência com a maior fé e obediência possível que Deus falou por meio de Cristo (2: 1-4; 3: 7-4: 13; 5: 11-6: 12; 10: 19-39; 12: 14-29). A mesma reação urgente à revelação divina em seu Filho é esperado ainda hoje o que demonstra não é verdade que o Espírito de Deus deixou de falar nos dias atuais.

O Livro de Hebreus indica que a revelação ainda é válida e vinculativa :


O escritor de Hebreus em nada rejeita do Antigo Testamento. Ele ainda confirma a revelação. Na verdade, ao longo do sermão, ele deixa claro que Deus em seu Filho só pode ser compreendido dentro do contexto de suas profecias no passado. O Antigo Testamento dá testemunho de Cristo. Mas, o desdobramento da revelação magnânima também sugere que a revelação do Antigo Testamento só pode ser compreendida dentro do contexto daquela que se deu em Cristo. Assim, o escritor da Carta aos Hebreus interpreta Cristo à luz do Antigo Testamento. Isto leva ao princípio hermenêutico básico de que o Antigo Testamento sempre deve ser lido à luz do Novo e do Novo Testamento à luz do Antigo.

Por Ronaldo Silva

Fonte:


COETSEE, A.. The unfolding of God’s revelation in Hebrews 1:1–2a. HTS Teologiese Studies / Theological Studies, 72, jun. 2016. Available at: <https://hts.org.za/index.php/HTS/article/view/3221>. Date accessed: 16 Dec. 2017. Licenciado Creative Commons. Traduzido

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar no Google

Sobre | Termos De Uso | Política De Cookies | Política De Privacidade
Top